O Direito, como é cediço, desde há muito tempo vem se consolidando como um curso estratégico e de inclusão social e profissional na sociedade em profunda transformação. Ainda cabe destacar que o Curso de Direito responde quantitativa e qualitativamente pela existência e consolidação de muitas instituições privadas de ensino superior.
Tais constatações remetem a desafios e problemas inarredáveis, tais como o da qualidade do ensino jurídico. Basta relembrar que, em março de 2013, o MEC suspendeu a criação de novos cursos de Direito em todo o país e instituiu uma Câmara específica de natureza Consultiva Temática (CTT) com escopo de regular a Política Regulatória do Ensino Jurídico.
Uma boa avaliação do Curso de Direito está atrelada a temas que passam desde a forma de ingresso dos acadêmicos na instituição até a titulação dos professores e o regime de trabalho dos docentes em atividade. No que tange às dimensões que informam a totalidade da formação acadêmica no Curso de Direito, figuram o Ensino, a Pesquisa e a Extensão.
Na seara específica da Pesquisa cabe uma distinção fundamental, uma vez que não se pode submeter o objeto do Direito (norma jurídica para os positivistas, critério material de justiça para os jusnaturalistas) à análise microscópica. A conduta humana e social não pode ser medida, quantificada ou reduzida a um dado (como queria Durkheim).
Assim, a ideia de cientificidade do Direito foge ao enquadramento reducionista das ditas ciências exatas ou da natureza (Bacon). Entretanto, de forma sui generis, é de se afirmar com todas as forças das palavras: existe Pesquisa no Direito, visto que “a elaboração de todo e qualquer trabalho intelectual exige disciplina e rigor metodológico durante todas as etapas de sua execução, desde a escolha do tema a ser problematizado até a apresentação dos resultados encontrados” .
A Faculdade de Direito de Alta Floresta, na incansável tarefa de contribuir com a reflexão jurídica, nos marcos estreitos da pesquisa científica, apresenta ao público e à Comunidade Acadêmica o presente número, com destacada participação exógena.

Publicado: 2016-10-10