O DIREITO A SER ESQUECIDO FRENTE À LIBERDADE DE INFORMAÇÃO E DE EXPRESSÃO

  • Euristina Maria Lisboa Raineri fadaf
  • Laiana Delakis Recanello

Resumo

É inegável o relevante papel reservado ao desempenho da atividade de informar, em que se coloca a liberdade de imprensa. Todavia, em contrapartida, igualmente não são distantes casos em que o exercício instigado desse direito de informar provocou efeitos devastadores em pessoas, retratando fatos e eventos indevidamente, ocasionando dano à dignidade dos envolvidos. Portanto, ao lado do direito de informar e de ser informado, reconhece-se os chamados direitos da personalidade. Trata-se de direitos chamados essenciais, emanações diretas da condição humana, entre os quais se reconhece o direito ao esquecimento.

Publicado
2017-06-28
Como Citar
RAINERI, Euristina Maria Lisboa; RECANELLO, Laiana Delakis. O DIREITO A SER ESQUECIDO FRENTE À LIBERDADE DE INFORMAÇÃO E DE EXPRESSÃO. , [S.l.], v. 11, n. 1, jun. 2017. ISSN 2237-8588. Disponível em: <http://www.ienomat.com.br/revista2017/index.php/judicare/article/view/20>. Acesso em: 24 nov. 2017.
Seção
Direito Civil