INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA: uma forma de economia processual para o Poder Judiciário

  • Bruna Ramos Vieira FADAF

Resumo

Com o advento da lei n. 11.900/2009, ocorreram algumas modificações no Código de Processo Penal acerca do interrogatório do réu, nessa perspectiva, o presente trabalho tem como objetivo demostrar a aplicabilidade do interrogatório do réu por meio de videoconferência, especialmente voltado a finalidade da economia processual para o Poder Judiciário. Destaca-se que para elaboração do presente trabalho, utilizou-se do método dedutivo por intermédio de pesquisas bibliográficas, sítios eletrônicos, artigos acadêmicos e jurisprudências. Denota-se que é uma prática ainda nova no cotidiano jurisdicional, mas que vem se adequando as necessidades do judiciário, porquanto existem diversos princípios relacionados a máxima da economia e celeridade do processo. Assim, o magistrado poderá se comunicar em tempo real com o réu por intermédio de vídeos com qualidades de imagens e sons, podendo interrogá-lo nessa nova modalidade de ferramenta tecnológica. Nesta toada, o principal objetivo do interrogatório por meio da videoconferência, repousa na economia, celeridade processual e segurança pública; contudo, há uma discussão jurisprudencial e doutrinária acerca dos direitos individuais do preso.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
VIEIRA, Bruna Ramos. INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA: uma forma de economia processual para o Poder Judiciário. Judicare, [S.l.], v. 14, n. 2, p. 21-30, dez. 2019. ISSN 2237-8588. Disponível em: <http://www.ienomat.com.br/revista/index.php/judicare/article/view/109>. Acesso em: 20 jan. 2020.
Seção
Artigos